Lente criativa: Música na minha lente

Postado por Maitê Amorim ♥ 20 novembro 2014



As nossas vidas têm trilha sonora. Cada momento que foi vivido ao som de uma música especial se torna inesquecível e a cada vez que a ouvimos somos transportados para outra dimensão, nossas memórias vem à tona e sentimentos indescritíveis nos tomam a alma. Foi  esse o desafio do Lente Criativa desse mês, fotografar um sentimento trazido pela música, expressar através das lentes uma emoção.


Essa música tem gostinho de domingo, me deixa feliz e me traz muita paz.

“Eu gosto do gosto da coragem,
a melhor viagem é seguir a trilha que eu abri
Eu me achei no colo do meu par,
a melhor parte de mim acabei de descobrir
E se perguntarem por mim, diga que estou ótima.”
Me sinto ótima – Banda do Mar



“O que me importa essa tristeza em seu olhar
Se o meu olhar tem mais tristezas pra chorar, que o seu.
O que me importa seu carinho agora, se é muito tarde para amar você”

O que me importa – Adriana Calcanhotto 



“I wanna be up, I wanna be down
I want a new direction
Somewhere it’s summer
Somewhere it’s always spring”
Always Spring – I’m from Barcelona









“I've tried so hard to remember what it is that I forgot
But I can, but I can believe...will you now

I've tried, I've tried, I've tried
Cried and kissed goodbye
To something that we both know
Boy you blow my mind
I don't know how I'm going to
Show you what I feel for you” 

Worried eyes - Eagle Eye Cherry



É isso pessoal, espero muito que vocês tenham gostado das fotos, deixem um comentário aí em baixo! Tô amando participar desse projeto tão lindo, aguardem o desafio do próximo mês! #clicksdoamor

Para ver as fotos dos outros participantes do projeto é só clicar:





Pra acompanhar o blog no facebook, é só curtir a fan page:  Nem te Conto!
               Pra me seguir nas redes sociais: >> facebook >> twitter >> instagram <<




Triologia: A Seleção, A Elite e A Escolha - Kiera Cass

Postado por Maitê Amorim ♥ 18 outubro 2014

Desde que eu vi o primeiro livro dessa triologia, ele entrou pra minha lista de desejos, e agora, depois de ler os três livros, já é uma das minhas séries favoritas! 

A Seleção é o primeiro livro da trilogia e se passa em um futuro em que os Estados Unidos se transforma em Illéa; um país em que a sociedade é dividida em oito castas, sendo as pessoas da oitava, as mais miseráveis, e as da primeira, a realeza. America Singer, nossa protagonista, é uma cinco (casta dos artistas), e durante dois anos mantém um romance secreto com Aspen, um trabalhador da casta seis. Apesar das dificuldades do namoro, America tem certeza do seu amor por Aspen e não esperava que sua vida fosse mudar completamente ao receber em casa uma carta, avisando que estavam abertas as inscrições para A Seleção: um concurso semelhante a um reality show, em que 35 garotas são escolhidas para passar uma temporada no palácio da família real disputando o coração do príncipe Maxon. America não pretende se inscrever e nem pensa na possibilidade de se tornar princesa, mas Aspen pediu pra que ela fizesse isso, por que jamais iria permitir que ela deixasse passar uma oportunidade de melhorar sua vida por causa dele. E é aí que a vida dela muda completamente.





A Elite começa no ponto que A Seleção acaba. Nesse momento da competição apenas seis meninas continuam disputando o coração de Maxon (ou como fica claro nesse segundo livro, para algumas o prêmio é apenas a coroa), e a disputa fica mais acirrada. Neste volume, America está ainda mais impulsiva em suas decisões e ao mesmo tempo dividida entre a proximidade e gentileza de Maxon, e a presença constante de Aspen no palácio como guarda real. Aspen é e sempre será seu porto seguro, mas com o interesse declarado de Maxon por ela, a dúvida entre por um ponto final em sua relação ou entrar de vez na competição fica ainda maior. Esse é o ponto principal da trama, que dividiu os leitores entre “Team Maxon” e “Team Aspen”.
Nesse segundo livro a autora se aprofunda bastante na história por trás da história de Illéa. Em toda essa sociedade despótica do país, o que foram a Terceira e a Quarta guerras mundiais, e por que o país se viu envolto em uma sociedade dividida em castas; o que torna o segundo livro muito mais envolvente e misterioso do que o anterior.




E finalmente o último livro da triologia! Em A Escolha, descobrimos quem é a escolhida do príncipe (ou com quem a America fica, Ô MENINA INDECISA). Para um último livro, foi um desfecho interessante, porém muito corrido. Muitos pontos que poderiam ter sido aprofundados pela autora ficaram no ar e isso me deixou um pouco desapontada.

RESUMINDO: Se você ainda não leu nenhum desses livros, pode ter certeza de que você vai:

1- Sentir muita raiva pela indecisão de America em relação ao Aspen e ao Maxon, por ela, até o inicio do terceiro livro, continuar dando uma de 'Eu caso ou compro uma bicicleta?', e não pôr um fim em nenhuma das duas relações.
2- Se apaixonar pelo Maxon. Ou pelo Aspen. Ou pelos dois.


Esqueci de dizer que os aspectos físicos dos três livros são lindos. A minha capa favorita é a de A Escolha, apesar de todas serem bonitas, e fonte e espaçamentos são perfeitinhos. Recomendo muitíssimo a leitura pra quem quer ler um romance leve e completamente envolvente, com uma pitada de ação e mistério. 
Três coraçõezinhos de cinco:
3/5 ♥


Ah, A Seleção ainda conta com um livro curtinho de contos escritos pelo ponto de vista do Maxon e do Aspen, já li, mas como esse post já está bem extenso, vou deixar pra falar na próxima!

Pra quem já leu a triologia, e aí, Team Maxon ou Team Aspen? ;)


Pra acompanhar o blog no facebook, é só curtir a fan page:  Nem te Conto!
               Pra me seguir nas redes sociais: >> facebook >> twitter >> instagram <<




Recentemente #3: setembro em um post

Postado por Maitê Amorim ♥ 15 outubro 2014

Fala galeura! Demorei mas voltei! Disse que estava sem tempo, mas aí as provas terminaram hoje e como amanhã é feriado aqui, sobrou um tempinho livre! Fiquei setembro longe daqui então trouxe fotos recentes e coisas legais que aconteceram no mês passado.

Escrevo esse post com saudade do dia 29 e do perfume com cheirinho de menta do Tiago Iorc, (pra mim é só titi hohoho). Já falei aqui no blog que eu adoro ele, e quando eu soube que ele vinha pra cá fiquei muito felizz, o show foi muito bom e já quero que ele volte! Fui com três amigas minhas, e depois do show a gente ainda conseguiu tirar uma foto com ele, (AGARRAMO MESMO HAHAH) e rolou selfie bonitinha. Só pra quem pode.

Dei uma passadinha na Leitura e levei pra casa esses dois livros que estavam em promoção, ‘Charlotte Street’ (apaixonei nessa capa) e ‘Roube como um artista’, que tem esse título engraçado, mas na verdade é um manual curtinho com dicas de como ser mais criativo. Logo, logo tem resenha!


Em Setembro eu fui ao cinema com uns amigos pra ver Lucy, que é o filme mais recente da Scarlet Johansson, a ideia do filme é mega legal, eu esperava bem mais, não gostei nem um pouco, quase dormi heheh. Fui ver também O Doador de memórias, que estreou faz pouquinho tempo e tem a Meryl Streep, Brenton Thwaites, e até a Taylor Swift no elenco! O filme é uma distopia que levanta questões como o papel do estado na sociedade e o quanto estamos acostumados á rotina, os personagens não tem emoções, e respondem roboticamente as ordens do governo. Acima de tudo, nenhum habitante tem memória, e apenas uma pessoa é encarregada de guardar todas as lembranças do passado, o escolhido pra tarefa é o Jonas, que acaba se mostrando um jovem rebelde e contrário ao sistema, é aí que a história desenrola! Vale a pena assistir por que o filme é lindo e abre uma reflexão legal, já pode ter a parte dois! 
Quero assistir Maze Runner, também, vocês já viram? Deixa o comentário aí em baixo e não esquece de curtir a fan page do blog, até maixx!
 
               Pra acompanhar o blog no facebook, é só curtir a fan page:  "Nem te Conto!
                       Minhas redes sociais: >> facebook >> twitter >> instagram <<




Road Trip

Postado por Maitê Amorim ♥ 06 julho 2014

Não sei vocês, mas desde pequena, eu amo viajar de carro, ônibus, trem, qualquer meio de locomoção que tenha janela e me permita viajar enquanto viajo; não tem coisa melhor! Minha prima que mora no Rio veio passar as férias comigo, aqui em Maceió. Pra variar o roteiro, decidimos pegar a estrada até Penedo, que é uma cidade histórica e muito lindinha, aqui perto. Tirei várias fotos e vim trazer pra vocês, espero que curtam!












Fiquei encantada com as Igrejas de Penedo. Todas são maravilhosas e muito bem conservadas, cada uma é restaurada uma vez por ano; mas essa da foto é a minha favorita, foi construída em 1781 e está de pé (e muito bem conservada) até hoje. Ela é enorme e altar é cheio de detalhes e todo folheado a ouro, E AGORA UMA CURIOSIDADE MUUITO LEGAL:
Estão vendo aquela portinha branca no canto? Durante a época da escravatura, essa igreja abrigou três escravos que viviam ali dentro, literalmente. Eles entravam e ali permaneciam: em pé, no escuro, 24 horas, rezando pra não serem encontrados; só saiam a noite. 

É isso, pessoal, espero que tenham gostado!
mai

               Pra acompanhar o blog no facebook, é curtir a fan page:  "Nem te Conto!
                       Minhas redes sociais: >> facebook >> twitter >> instagram <<



 PS- Meu instagram foi hackeado, infelizmente, e já criei outra conta, me sigam lá no @msformaite




Trilha sonora da minha vida

Postado por Maitê Amorim ♥ 14 junho 2014

Essa é a primeira vez que vim responder uma tag aqui no blog, achei essa muito divertida! E como eu adoro indicar bandas/cantores que eu gosto, aproveitei e fiz uma playlist no fim. Funciona mais ou menos, assim: Você põe as músicas do seu celular no aleatório, e vai relacionando as que tocarem com as frases. Ficou assim:


Créditos iniciais: Torn
Tema do seu nascimento: Lousy Truth – Neer Shout Never
Primeiro dia na escola: Little Talks – Of Monters and men
Primeira briga: Conversation – Eagle eye Cherry
Primeira decepção amorosa: Janta –Marcelo Camelo e Mallu Magalhães
Tema da sua vida escolar: Walk of life: Dire Straits
Tema da sua vida adulta: Velha e louca – Mallu Magalhães
Trilha sonora para a sua primeira vez: Do ya - Mcfly
Trilha sonora para as demais vezes: Ensaio sobre ela - Cícero
Primeira canção em seu carro: Mustang Sally – Joe Cocker
Tema de seus flashbacks: All about us – He is We
Sua canção de namorados: Suck it and see – Arctic Monkeys
Música de seu casamento: Dog days are over – Florence and the machine
Tema de nascimento do seu(a) primeiro(a) filho(a): Who can it be now? - Men at work
Última música que ouvirá antes de virar gagá: 1901 - Phoenix
Música que estará tocando quando morrer: Rainbow Wings – Eagle Eye Cherry
Música do funeral: Mad sounds – Arctic Monkeys
Créditos finais: Story of my life – One Direction


Achei muita coincidência 'Mustang Sally' ter saído pra 'Primeira canção em seu carro', hahahah e 'Story of my life" pra 'Créditos finais', caiu certinho!



Pra acompanhar o blog no facebook, é curtir a fan page:  "Nem te Conto!
                       Minhas redes sociais: >> facebook >> twitter >> instagram <<


Mai 




7 fotos de infância - Blogagem coletiva

Postado por Maitê Amorim ♥ 13 junho 2014



A ideia para esse post veio lá no grupo do Conspirantes, o blog da Amanda, criamos uma blogagem coletiva, que vai funcionar todo mês. Todo mundo pode participar, é só postar dentro do tempo combinado, (no caso, essa começou segunda, e vai até amanhã). O tema é 7 fotos de infância, e eu fiquei super animada enquanto escrevia esse post; amo revirar lembranças de quando eu era menorzinha, sempre acho muito engraçado ver o que curtia na época, e o quanto eu mudei em tão pouco tempo, hehe 



~ fingindo que sabia ler~ heheh


Podem rir, por quê minhas fotos são zuadas mesmo.

Pra acompanhar o blog no facebook, é curtir a fan page:  "Nem te Conto!
                       Minhas redes sociais: >> facebook >> twitter >> instagram <<


Mai 




5 comédias românticas favoritas

Postado por Maitê Amorim ♥ 09 maio 2014

Eu amo cinema, acho que meu pai acabou me passando essa paixão, e pra mim não tem passatempo melhor do que passar a tarde vendo filmes de amorzinho. Tento dizer que não; mas no fundo esses são meus favoritos, hahah Daqueles que fazem suspirar e chorar baldes quando o casal finalmente fica junto no final . Pensei um tempão pra escolher só cinco dos meus filmes românticos favoritos, mas consegui. 


Só o elenco já paga o ingresso desse filme; Simplesmente amor (Actually love) se passa no Natal, e em meio a toda a magia dessa época do ano, a história entrelaça a vida de todos os personagens de uma maneira imprevisível e muito, muito divertida. Tem a mocinha que acabou de terminar o namoro e se apaixona pelo Primeiro Ministro da Inglaterra. Tem o escritor que descobriu que sua mulher o traía com o irmão dele e cai de amores por uma portuguesa que nem sequer é capaz de entender o que ele fala (e vice versa). E é a soma de todos esses encontros pouco-usuais, que mostra, por mais clichê que pareça, que amor não tem lógica, apenas acontece. E GENTE: A TRILHA SONORA DESSE FILME, É MARAVILHOSA. 


Esse já é clássico; mas gosto tanto, que tive que incluir c: Hugh Grant lindo como sempre, faz o papel do Will, dono de uma livraria pequena que vende guias de viagem em Nothing Hill (bairro muito fofo de Londres), e se apaixona por uma estrela americana de cinema, Anna, que vai gravar um filme em Londres, e acaba entrando na livraria dele. Aquele tipo de filme em que você ri e chora no mais curto espaço de tempo, haha E a trilha sonora é tão linda, minha favorita.



Quatro casamentos e um funeral, é outra comédia romântica britânica () do mesmo diretor que escreveu Nothing Hill e Simplesmente amor, hahah. Hugh Grant faz o papel do fulano, que não gosta de compromisso, e nunca é o noivo nos casamentos que vai, sempre o padrinho. Até que ele se apaixona em um deles. Esse filme é muito engraçado, fala sobre amizade, amor, e o “um funeral” no título, é o sobre a última cena, que é linda, linda. VEJAAM.
























PAUSA PRA DIZER QUE: eu amo esse filme, muitão. Letra e Música (Music & Lyrics), traz o Hugh Grant como protagonista (pra variar hahaha), no papel de Alex Fletcher, é um decadente astro da música pop, que fez muito sucesso na década de 80, em uma boyband. A chance de mais uma vez fazer sucesso bate à sua porta quando Cora Corman, a atual diva do pop, o convida para compor uma canção e gravá-la com ela, em dueto. O problema é que Alex há anos não compõe uma canção sequer, Sua salvação é Sophie Fisher (Drew Barrymore ), a encarregada de cuidar das plantas dele; cujo jeito com as palavras serve de inspiração para Alex. 












Feitiço do tempo (Dia da marmota, no título original) têm 20 anos de lançado; é aquele tipo de filme que não fica velho nunca! Conta a história de um metereologista que vai até uma cidade pequena fazer uma reportagem especial sobre o “Dia da Marmota”. Querendo ir embora o mais rápido possível, ele inexplicavelmente fica preso no tempo, sendo condenado a repetir sempre, os eventos daquele dia. È um dos melhores filmes que eu já vi, parece bem bobo no início, mas no fim, é uma lição de vida pra todo mundo.

Me indiquem filmes de romance que vocês gostem nos comentários, já viu algum dos meus preferidos? c: 

Mai
Pra acompanhar o blog no facebook, é curtir a fan page:  "Nem te Conto!
                       Minhas redes sociais: >> facebook >> twitter >> instagram <<





Cidades de papel, John Green

Postado por Maitê Amorim ♥ 25 janeiro 2014



 Quando aconteceu a Bienal do livro aqui em Maceió, eu fiquei super feliz e comprei vários livros que estavam na minha wishlist há tempos, um deles era Cidades de Papel, do John Green. Provavelmente vocês já devem ter ouvido falar no livro (e certamente, do autor), Green vem fazendo tanto sucesso depois do lançamento do seu livro mais famoso, ‘A culpa é das estrelas’ (que, aliás, vai virar filme ainda esse ano c:), que estou com a meta de ler todos os livros dele que ainda faltam na minha estante!


Cidades de Papel foi o último do autor que li, e estou aqui pra falar o que achei pra vocês : )

O livro conta a história de "Quentin Jacobsen (ou Q.) que nutre uma paixão platônica pela sua vizinha e colega de infância Margo Roth Spielgeman, desde que era pequeno. Naquela época eles brincavam juntos, e andavam de bicicleta pelo bairro, mas hoje ela é uma garota linda e popular no colégio, e ele, só mais um dos nerds da turma. Certa Noite, Margo invade a vida de Quentin pela janela do seu quarto, com a cara pintada de preto e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um plano vingativo e engenhoso. Ele é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola, esperançoso de que tudo mude depois daquela madrugada e ela decida se aproximar dele. No entanto, ela não aparece naquele dia, nem no outro, nem no seguinte. Quando descobre que o paradeiro dela é agora um mistério, Quentin logo encontra pistas deixadas por ela e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava que conhecia."



Cidades de Papel é bem diferente de tudo que eu já li, cada personagem tem seu jeito único e suas peculiaridades, Margo é a popular do colégio, filha de pais problemáticos, misteriosa e rebelde, obcecada por aventuras e tudo o que foge da rotina, costuma fugir de casa e voltar em alguns dias, sem dar explicações. Quentin é um amigo leal, nerd, viciado em jogos, filho de psicólogos, vive preso naquela cidade pequena e idealiza Margo como um ser perfeito e intocável, seu amor por ela é quase uma devoção.  

“Margo sumia com tanta frequência que ninguém organizava campanhas no colégio para encontrá-la ou coisa parecida, mas todos sentíamos sua falta.”


Logo que Margo desaparece, depois da noite de ‘aventuras’ com Q., a vida dele se resume em encontrá-la, a achar pistas deixadas por ela, e a partir daí, cada vez mais, ele se distancia da imagem da Margo que mantinha em sua mente; (e isso realmente acontece muito na vida real, quem nunca ao conhecer uma pessoa de verdade, viu que ela era completamente diferente do que imaginava?), ela era apenas uma garota mascarada, por trás de uma personalidade totalmente desconhecida por todos. Q. se aventura por lugares esquisitos, conhece pessoas esquisitas, e descobre ser bem mais corajoso e capaz do que pensava ser. Cidades de Papel tem pequenas doses de tudo. É romântico, mas não meloso, tem muita aventura, é bem engraçado, surpreendente, instigante, e nos faz ver um pouco da vida de forma diferente, e aprender que estereótipos são perda de tempo, e que as coisas são muito diferentes do que pensamos ser.

Bem, agora uma nota sobre o fim do livro: Nem sei o que eu achei, gente. Gostei, fiquei triste, feliz com o que aconteceu, sem reação com o desfecho. Mas, mesmo assim, acho que esse foi mesmo o final mais real. Cidades de Papel mostra pra gente, que tudo é muito frágil, imperfeito, a vida, os amores, que nada acontece como queremos sempre, as últimas páginas deixam isso bem claro. Bem, não quero dar spoilers, sei que escrevi bastante, mas realmente adorei esse livro! Dou 5 corações de 5:

5/5 ♥

Ah, quem quiser saber mais sobre o livro, tem um vídeo bem AQUI do próprio John Green respondendo perguntas dos leitores sobre Cidades de papel.

Vocês já leram o livro? Gostaram? Conta aí embaixo que eu quero saber : )

Pra acompanhar o blog no facebook, é curtir a fan page:  "Nem te Conto!
                            Minhas redes sociais: facebooktwitter, e instagram